MPF e Polícia Federal discutem estratégias para combater fraudes no auxílio emergencial

Lançamento do aplicativo CAIXA|Auxílio Emergencial

Representantes do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF) se reuniram nessa quinta-feira (25) para discutir estratégias e procedimentos operacionais de combate às fraudes no auxílio emergencial.

A reunião, realizada por meio de videoconferência, foi promovida pela Câmara Criminal do MPF (2CCR) com o objetivo de aproximar as instituições e fomentar o trabalho integrado.

Durante o encontro, o coordenador da 2CCR, Carlos Frederico Santos, informou sobre a orientação aprovada pelo colegiado com diretrizes para a atuação dos membros do MPF em relação à comunicação de fatos criminosos envolvendo solicitação e recebimento do auxílio.

O subprocurador-geral explicou que, a fim de garantir agilidade e efetividade às investigações, o foco do trabalho deve estar nos casos em que há indícios de ocorrência de fraude sistêmica ou praticada por organizações criminosas. Nas demais situações, a orientação da Câmara Criminal é que o membro acione outros mecanismos disponíveis.

O delegado Ronaldo Carrer, coordenador-geral de Polícia Fazendária, informou que a solução vislumbrada pela PF para coibir as fraudes no auxílio emergencial é a criação de uma base nacional centralizada de dados. Relatou ainda que está em análise pela Corregedoria da PF minuta de portaria com diretrizes procedimentais para a atuação dos policiais em relação às notícias-crimes relacionadas ao auxílio, na mesma linha da Orientação 42, editada pela 2CCR.

Carrer também ressaltou a importância de atuar em parceria com a Caixa Econômica Federal, para verificação dos fatos e comprovação de prejuízo à União.

Participaram do encontro ainda o procurador da República Marcelo Oliveira e os delegados da Polícia Federal Cleo Mazzotti, que em breve assumirá a Coordenadoria-Geral de Polícia Fazendária, Carlos Eduardo Sobral, Cassiana Saad e Marcos Leôncio.

Por Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*