Polícia interrompe festa com mais de 100 pessoas em Salvador

Polícia militar e agentes da prefeitura encerraram uma festa com mais de 100 pessoas na Estrada Velha do Aeroporto, em Salvador — Foto: Reprodução/TV Bahia

Uma festa que reuniu mais de 100 pessoas na noite de domingo (14), em Salvador, foi interrompida por agentes da prefeitura e da Polícia Militar. A festa ocorreu em uma casa na Estrada Velha do Aeroporto.

Em Camaçari, na região metropolitana de Salvador, a Polícia Militar também interrompeu uma festa que ocorria com cerca de 60 pessoas, em uma casa. Todos foram encaminhados a delegacia. Esses encontros ocorrem em plena pandemia do novo coronavírus, onde é necessário que não haja aglomeração.

Apesar de Salvador ser a cidade da Bahia com maior número de casos, que já ultrapassam 19,8 mil, as pessoas não têm se preocupado com o aumento de pessoas infectadas nem de mortes, que passam de 740 óbitos.

No imóvel onde ocorreu a festa, na Estrada Velha do Aeroporto, tinha muita gente e som alto. Foi mais uma denúncia que chegou à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), pelo número 156. Com o apoio da Polícia Militar, os fiscais chegaram ao local por volta de 20h.

A denúncia apontou que o espaço foi alugado para uma festa de paredão, com aglomeração de pessoas e som alto. Os policiais chegaram jogando gás lacrimogêneo, e houve correria. Homens e mulheres foram separados e revistados dentro da casa. Os policiais fizeram buscas, mas nada foi encontrado, além de muita bebida.

As mais de 100 pessoas que estavam na festa foram advertidas e liberadas. “Podemos fazer uma estimativa que tinha cerca de 120 a 130 pessoas, entre homens e mulheres. Após a revista, nada de ilegal foi localizado”, disse o capitão Anderson Ubiratan.

O dono da casa disse que era aniversário de um sobrinho, que não alugou o espaço, mas que sabia do risco que todos ali estavam correndo.

“Não era festa de paredão. Eu pedi para não fazer mais de 50 pessoas. Não era para fazer aglomeração, era para fazer uma festinha de aniversário do meu sobrinho, só que meu sobrinho conhece todo mundo de Cajazeiras, e acabou chegando por aqui”, disse Jurênio Leal.

O imóvel foi interditado e os aparelhos de som, apreendidos. Operações como essa têm acontecido nas noites de sexta, sábado e domingo na capital baiana. No ano passado, o número de denúncias de som alto em residências estava em terceiro lugar no ranking de reclamações da Semop, este ano, pulou para primeiro.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*